CHAT GPT 4 NO FUTURO DO TRABALHO COMO ALIADO OU INIMIGO?

por | mar 24, 2023 | Sobre MKT Digital | 0 Comentários

Você provavelmente já ouviu falar do Chat GPT, uma inteligência artificial que tem a capacidade de gerar textos que se assemelham muito à escrita humana. Como uma inovação tão impressionante, não é surpreendente que sua popularidade venha acompanhada de polêmicas, discussões e previsões sobre o impacto do chat gpt 4 no futuro do trabalho. Aqui na Blinmy não foi diferente.

E pra complicar ainda mais, mal deu tempo de se acostumar com essa nova ferramenta e já surge outra, bem mais avançada: o Chat GPT 4, disponível somente para assinantes.

Com o objetivo de compreender mais profundamente este fenômeno, neste artigo abordaremos como ele pode revolucionar o mercado de trabalho, seus desafios e as transformações na forma como lidamos com a informação.

O VELHO MEDO COM UMA CARA NOVA

A tecnologia sempre teve a capacidade dupla de impressionar e assustar. O medo de sermos substituídos por máquinas e a projeção de um futuro apocalíptico dominado por robôs são exemplos que há tempos ilustram nosso imaginário, presentes nas mais diversas e criativas obras de ficção.

Ao longo dos anos, pode-se dizer que essa mentalidade tomou outros rumos: nós, cidadãos do futuro e nativos digitais, temos a tecnologia como aliada indispensável no dia a dia. Os perigos enfrentados, por sua vez, são bem mais específicos e complexos: algoritmos, vício em redes sociais, desinformação, hiper-estimulação, entre outros inúmeros exemplos que nenhum Isaac Azimov foi capaz de prever.

Foi no ano passado que esse cenário mudou um pouquinho, e nós voltamos um pouco para o medo antigo. A popularização das inteligências artificiais provou que os robôs são capazes de fazer uma coisa que sempre foi considerada exclusividade dos seres humanos: criar algo novo. É o caso da DALL-E, desenvolvida pela startupOpenAI, que chocou a internet com suas imagens totalmente inéditas geradas a partir de descrições de texto. A inovação representou um avanço na área de IA, mas causou impacto em diferentes áreas profissionais, que se sentiram ameaçadas com o novo e insuperável concorrente.

E é justamente nesse contexto que surgiu o Chat GPT 3, uma iniciativa da mesma empresa, voltada para a criação de textos, de forma extremamente similar à escrita humana.

Antes de temer essa tecnologia precisamos entendê-la.

O QUE É E COMO FUNCIONA O CHAT GPT

O Chat GPT, ou GenerativePre-trainedTransformer, é um modelo de linguagem desenvolvido pela startup OpenAI, que permite aos usuários interagir através de conversas em texto. Da mesma forma que o DALL-E, este modelo toma como base uma rede neural chamada Transformer, treinada com milhões de exemplos de texto na internet, permitindo a compreensão e reposta de uma ampla variedade de questões e tarefas. Basta você perguntar que terá uma resposta.
Para testar, resolvi perguntar ao próprio Chat o que “ele” é. Vejam a resposta:

“Eu sou um modelo de linguagem treinado pela OpenAI. Utilizo inteligência artificial e aprendizado de máquina para responder a perguntas e realizar tarefas baseadas em texto. O meu treinamento incluiu a análise de enormes quantidades de texto na internet, o que me permite responder a uma ampla gama de perguntas e tarefas com naturalidade e precisão. Ao receber uma pergunta, eu a processo e gero uma resposta, selecionando a informação mais relevante de minha base de conhecimento e utilizando técnicas de processamento de linguagem natural para formular a resposta da maneira mais clara e útil possível.”

Você pode conferir no site oficial do Chat GPT: https://chat.openai.com/

 PARA QUE SERVE

Diferente de outras ferramentas menos desenvolvidas, como o Robô Ed e as centrais de atendimento automatizadas, o Chat GPT 3 e o Chat GPT 4 contam com um repertório imenso e intensa capacidade de processamento. Além de responder perguntas sobre assuntos gerais, como história, ciências e tecnologia, essa IA é capaz de realizar tarefas como traduções, resumos e, é claro, a criação de textos originais.

É basicamente um amigo criativo, gente boa e muito inteligente que simplesmente te ajuda em tudo que você perguntar. E cada uma dessas “habilidades” pode ter um desenrolar único.

Essas novidades da tecnologia são utilizadas em aplicações como chatbots, assistentes virtuais, sistemas de informação e até mesmo na produção de conteúdo de mídia, como notícias e histórias. Além disso, a OpenAI está trabalhando para expandir ainda mais as aplicações desta tecnologia, incluindo o uso em aplicações de saúde e finanças. O Chat GPT4, por exemplo, já está acoplado com a inteligência artificial de busca Bing Chat, pertencente à Microsoft.

No quesito criatividade, essa IA realmente impressiona: alimentada por uma quantidade imensa de dados, essa tecnologia é capaz de realizar em segundos um processo que para nós humanos leva um tempo incontável: transformar informações e referências acumuladas em algo original.

O buzz inicial já impressiona, mas suas aplicações ainda têm muito a evoluir com o passar dos anos, se misturando e aprimorando diversos outros serviços.

OS DESAFIOS PARA O CHAT GPT

Sua chegada está marcada por essa dupla impressão: ao mesmo tempo que se tornou a rede a atingir mais rápido o número de 100 milhões de usuários mensais, uma série de medidas tentam reduzir seu uso ao apontar problemas em diversos segmentos, como educação e cybersegurança.

E é fato que o Chat GPT ainda apresenta algumas limitações. Sendo influenciado com base em dados da internet, que podem ser tendenciosos ou desatualizados, o Chat ainda não possui a capacidade de compreender as emoções e nuances da linguagem humana de forma completa, o que pode levar a respostas inadequadas em determinadas situações. No entanto, a tecnologia está constantemente evoluindo, e a OpenAI está trabalhando para superar estas limitações.

Com o tempo, é possível que o Chat GPT se torne uma das ferramentas mais valiosas e versáteis da tecnologia da informação, permitindo aos usuários interagir com conteúdos e serviços de uma forma mais natural e intuitiva.
E uma coisa interessante: a máquina sabe o que pensam dela! Quando perguntei quais impressões as pessoas têm dela, respondeu:

“As pessoas tendem a ter impressões positivas e negativas sobre o uso de modelos de linguagem como eu. Algumas pessoas apreciam a conveniência e a rapidez de ter informações e respostas imediatas disponíveis através de um chat, enquanto outras expressam preocupações sobre a privacidade e a segurança da informação compartilhada, bem como a falta de empatia ou compreensão emocional que um modelo baseado em computador pode apresentar. Além disso, algumas pessoas podem questionar a precisão e a relevância das informações fornecidas por modelos de linguagem, já que as respostas são baseadas em dados treinados e não são capazes de levar em consideração as nuances e circunstâncias únicas de cada situação.”

CHAT GPT 4 NO FUTURO DO TRABALHO: ALIADO OU INIMIGO

Como toda inovação tecnológica, o Chat GPT divide as impressões em entusiasmo e receio. Afinal, seria essa tecnologia boa ou ruim? E como seria seu desenrolar com o tempo? A futurologia é uma arte arriscada, mas alguns acontecimentos e reflexões podem ser bastante úteis para dar bons palpites.

Casos emblemáticos do sistema educacional ocorreram nas escolas públicas da cidade de Nova York, que proibiram o uso do chatbot por estudantes e professores nas redes e dispositivos do distrito; assim como universidades australianas, que decidiram retornar às tarefas em papel e caneta. Por outro lado, há os que procuram não eliminar a ferramenta, mas melhorá-la, questionando sua capacidade de fornecer respostas precisas. O jornal The Guardian foi um, que pediu a regulamentação governamental da ferramenta.

Quando perguntei para o Chat sobre a possibilidade de substituir trabalhos humanos, respondeu:

“É possível que modelos de linguagem como eu possam eventualmente desempenhar papéis mais amplos e substituir alguns trabalhos humanos. No entanto, também é importante destacar que os modelos de linguagem são projetados para complementar e melhorar o trabalho humano, não para substituí-lo completamente. Eu sou capaz de realizar tarefas repetitivas e responder a perguntas com rapidez e precisão, o que pode liberar tempo e recursos para que os profissionais humanos possam se concentrar em tarefas que exigem criatividade, pensamento crítico e empatia. Além disso, os modelos de linguagem ainda enfrentam limitações em termos de compreensão e interpretação da linguagem humana, o que significa que muitas tarefas exigirão a intervenção humana por muito tempo.”

A tecnologia do Chat GPT 4 pode ter um impacto significativo no futuro do trabalho, tanto em termos de automação de tarefas quanto em termos de desenvolvimento de novas habilidades e funções profissionais. Utilizado para automatizar tarefas, libera tempo para a resolução de outras questões. Isso sem contar as possibilidades de surgimento de novos empregos, como desenvolvedores de chatbots, profissionais que trabalham na integração de sistemas de chat em aplicações empresariais, entre outras funções que ainda nem somos capazes de imaginar.

Enquanto a tecnologia continua a evoluir, é importante que as pessoas estejam preparadas para se adaptarem às mudanças e desenvolverem as habilidades necessárias para se destacarem em um mercado de trabalho cada vez mais tecnológico.

O QUE ESPERAR DISSO TUDO?

O Chat não é a primeira tecnologia a causar espanto em seu potencial. O surgimento do computador teve um impacto, a internet idem, e o Chat GPT certamente não vai ser o último caso disso. Cabe a nós nos adaptarmos a essas novas tecnologias, e implementá-las em nosso trabalho, buscando evoluir com essa interação.

Na opinião de Craig Elimeliah, diretor de design de experiência da agência VMLY&R, iniciativas de inteligência artificial na criação têm muito a agregar, aumentando o potencial de pessoas boas, e eliminando pessoas que pensam em tratar de forma simplória seu uso. Como máxima, ressalta: “o computador não tem bom gosto”. A inteligência artificial pode combinar conhecimentos de forma a criar algo novo, mas quem define o que é bom, quem decide efetivamente, somos nós, humanos.
Como disse profeticamente Gilberto Gil em 1969, na música “Cérebro Eletrônico”:

“O cérebro eletrônico comanda
Manda e desmanda
Ele é quem manda
Mas ele não anda
Só eu posso pensar
Se deus existe, só eu
Só eu posso chorar quando estou triste (Só eu)
Eu cá com meus botões de carne e osso
Eu falo e ouço
Eu penso e posso”

E se você leu até aqui, é possível que esteja curioso para saber se esse texto foi escrito por uma pessoa ou um robô…Pois é.

No fim das contas, qual a diferença?

Veja semanalmente nossas novidades sobre marketing digital em nosso blog.

FONTES

https://www.socialmediatoday.com/news/should-you-be-using-ai-creation-tools-in-your-process/641356/
https://www.meioemensagem.com.br/proxxima/seria-o-chatgpt-a-chave-para-destravar-o-potencial-do-metaverso
https://www.meioemensagem.com.br/proxxima/a-i-atravessou-o-abismo-e-agora
https://www.meioemensagem.com.br/proxxima/inteligencia-artificial-no-marketing
https://www.meioemensagem.com.br/proxxima/chatgpt-o-que-e
https://tecnoblog.net/noticias/2023/03/14/openai-anuncia-gpt-4-nova-tecnologia-por-tras-do-chatgpt/